Resumo Trabalho

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE IDOSOS AGRICULTORES EM ASSENTAMENTO RURAL NO MUNICÍPIO DE VITÓRIA SANTO ANTÃO

MARIA CAROLINE MACHADO SERAFIM, ALLINE KARLLA PÉRICLES PEREIRA, IVANNA THAÍS DA SILVA FREITAS, DAYANE GOMES DE OLIVEIRA e orientado por MARIA DA CONCEIÇÃO CAVALCANTI DE LIRA e orientado por MARIA DA CONCEIÇÃO CAVALCANTI DE LIRA

Introdução: O profissional da agricultura é exposto à poeira inorgânica e o contato em longo prazo com os pesticidas pode gerar consequências prejudiciais à vida humana, incluindo doenças crônicas como, o câncer, Parkinson, Alzheimer, esclerose múltipla e diabetes. Portanto, este trabalho teve o objetivo de avaliar o perfil epidemiológico de idosos agricultores em assentamento rural no município de Vitória Santo Antão. Metodologia: Trata-se de um estudo transversal, exploratório, com abordagem quantitativa. A pesquisa foi realizada em um assentamento Rural no Município de Vitória de Santo Antão-PE, na Zona da Mata. Resultados: Foram entrevistados 42 agricultores do Assentamento Rural, a maioria dos entrevistados corresponderam ao sexo masculino, de faixa etária entre 45 e 72 anos, casados, baixa escolaridade, tabagistas, faziam uso de bebida alcoolica e destinavam mais de 8 horas por dia a atividade agrícola. Quanto as variáveis clínicas, os sinais e sintomas identificados nessa população destacam se: dor de cabeça, enjôo, tontura, Fadiga, Perda da memória, Edema em tornozelos,Diminuição da urina, Distúrbio do sono, Diarréia, Dor epigástrica, Dermatites e Dor nas costas. Discussão: Observarou-se no presente estudo alguns hábitos inerentes a esta população, como o uso de bebidas alcoolicas e tabagismo, além disso, outros fatores como o reaproveitamento de embalagens de agrotóxicos e a não utilização de Equipamentos de Proteção Individual (EPI’s) são considerados fatores predisponentes para o desenvolvimento de doenças crônicas, corroborando assim com outros estudos realiza dos no Rio Grande do Sul que citam esses fatores, como principais agentes predisponetes a desenvolviemnto de intoxicações e injúrias a saúde. Conclusões: A introdução de discussões oriundas da área ambiental no campo da saúde pode ser indutora de mudanças estruturais nas tecnologias produtivas, ou de comando-controle para situações, em que a saúde pública reconheça a existência de riscos mais graves para a população. Sendo assim, para atingir o desenvolvimento sustentável, é evidente a necessidade de garantia da qualidade ambiental e da saúde humana dos agricultores idosos de assentamentos como o de Natuba, através de políticas públicas de saúde que possam garantir assistência adequada, conforme as necessidades desta população.

Veja o artigo completo: PDF