Resumo Trabalho

PAPEL BIOLÓGICO DAS SIRTUÍNAS NO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO HUMANO

MARIA ESILENE VALENÇA BATISTA, JOÃO PEDRO PEREIRA DA SILVA, ISIS CATHARINE ARAÚJO ROCHA, BRÍGIDA THAÍS LUCKWÜ DE LUCENA e orientado por ANTÔNIO HUMBERTO PEREIRA DA SILVA JÚNIOR e orientado por ANTÔNIO HUMBERTO PEREIRA DA SILVA JÚNIOR

As sirtuínas são uma família evolutivamente conservada de enzimas desacetilases homólogas à SIR2 (do inglês: silent information regulator 2), uma proteína encontrada em Saccharomyces cerevisae e caracterizada como silenciadora de loci gênicos selecionados. Atualmente se tem conhecimento de sete homólogos à SIR2 (SIRT1-7) em humanos, todos atuando como desacetilases NAD+ dependentes e e ADP-ribosiltransferases, envolvidas em inúmeros processos celulares, como no reparo de DNA. A relação entre sirtuínas e o envelhecimento foi relatada inicialmente em leveduras de brotamento, logo depois essa relação se estendeu e confirmou-se que essas proteínas também estão associadas ao envelhecimento em mamíferos. Por serem proteínas NAD+ dependentes, sugere-se que as sirtuínas apresentem contribuição como mediadoras dos efeitos da restrição calórica e que através dela medeiem a regulação da longevidade, diminuindo o desenvolvimento de doenças crônicas relacionadas à idade e prolongando a vida útil. As SIRT 1, 2, 6 e 7 se localizam no núcleo, onde estão relacionadas à ligação ou silenciamento de genes que influenciam na longevidade das células. SIRT1 e SIRT2 também têm localização citoplasmática, estando envolvidas na desacetilase de diversas proteínas, controlando assim suas funções. As SIRT 3, 4 e 5 se localizam na mitocôndria, sendo reguladoras do metabolismo oxidativo, atuando na diminuição dos níveis de espécies reativas do oxigênio e na reprogramação metabólica, aspectos importantes do envelhecimento. Este estudo teve como objetivo realizar uma revisão dos principais achados disponíveis na literatura acerca das sirtuínas e sua relação com o envelhecimento humano. Foram usados os principais servidores online para a revisão bibliográfica, buscadores acadêmicos (Google Acadêmico e ScienceDirect), bases de dados (MEDLINE) e diretórios de revistas (Pubmed Central). Foram usados os descritores SIRT1, SIRT2, SIRT3, SIRT4, SIRT5, SIRT6, SIRT7, envelhecimento, também tendo sido utilizados descritores em inglês para expansão da pesquisa, como aging. Os resultados mostraram que todas as sete sirtuínas presentes em mamíferos exercem algum nível de influência no processo de envelhecimento, principalmente através da regulação de inúmeras vias de sinalização. As sirtuínas também estão relacionadas a inúmeras doenças decorrentes da idade e ao câncer. Dessa forma, as ferramentas da biologia molecular têm contribuído para a elucidação das vias celulares envolvidas com essas proteínas e na predição de possíveis impactos biológicos sobre os indivíduos.

Veja o artigo completo: PDF