Resumo Trabalho

AVALIAÇÃO DA TERAPIA MEDICAMENTOSA EM IDOSOS HIPERTENSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE - UAMA

JAMILLY KEILLA BARBOSA PAULINO, BEATRIZ BARROS MARTINS, DENNYSE ELLEN DE FREITAS e orientado por LINDOMAR DE FARIAS BELÉM

A HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA (HAS) É CONSIDERADA UM GRAVE PROBLEMA DE SAÚDE PÚBLICA, NÃO APENAS NO BRASIL, MAS EM TODO O MUNDO. NA MAIORIA DOS CASOS, VERIFICA-SE SER UMA DOENÇA ASSINTOMÁTICA, SILENCIOSA, O QUE LEVA A DIFICULDADE NO DIAGNÓSTICO DA DOENÇA E À NÃO ADESÃO AO TRATAMENTO, SENDO CONSIDERADA TAMBÉM IMPORTANTE FATOR DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE DOENÇAS RENAIS, CEREBRAIS E CARDIOVASCULARES, SENDO ESSA ÚLTIMA RESPONSÁVEL POR CERCA DE 250.000 MORTES. A HAS PODE ACOMETER PESSOAS DE QUALQUER FAIXA ETÁRIA, PORÉM, A POPULAÇÃO IDOSA MOSTRA-SE A MAIS ATINGIDA PELA DOENÇA. PORTANTO, O PRESENTE TRABALHO TEM COMO OBJETIVO AVALIAR A TERAPIA FARMACOLÓGICA DE IDOSOS PORTADORES DE HAS QUE SÃO ALUNOS DE UMA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE. É UM TRABALHO DO TIPO DOCUMENTAL, DESCRITIVO E COM ABORDAGEM QUALIQUANTITATIVA. NA AMOSTRA COMPOSTA POR 50 PACIENTES, VERIFICOU-SE UMA PREVALÊNCIA FEMININA DE 76%. QUANTO AO TIPO DE TRATAMENTO A POLITERAPIA APRESENTOU ÍNDICE DE 54% E O LOSARTANA DA CLASSE DOS BLOQUEADORES DOS RECEPTORES AT¹ DA ANGIOTENSINA II COM 33% DA AMOSTRA, FOI O MEDICAMENTO MAIS PRESCRITO. AS ASSOCIAÇÕES MAIS ENCONTRADAS FORAM ENTRE DOIS MEDICAMENTOS, APRESENTANDO 57% E MAIS PRECISAMENTE ENTRE AS CLASSES DOS BLOQUEADORES DOS RECEPTORES AT¹ DA ANGIOTENSINA II COM BLOQUEADORES DOS CANAIS DE CÁLCIO. EM RELAÇÃO AO CONTROLE DA PA VERIFICOU-SE QUE 76% DE TODA A AMOSTRA ESTAVAM COM NÍVEIS PRESSÓRICOS CONSIDERADOS NORMAIS. COM ISSO O TRABALHO MOSTRA COMO O TRATAMENTO MEDICAMENTOSO PODE SER EFETIVO SE UTILIZADO DE MANEIRA CORRETA.

Veja o artigo completo: PDF