Resumo Trabalho

IMPACTO DA DOR NA QUALIDADE DE VIDA DE IDOSOS

JOANA GABRIELA BORJES SOARES, ANA ELZA OLIVEIRA DE MENDONÇA, VILANI MEDEIROS DE ARAUJO NUNES, JOSÉ FELIPE COSTA DA SILVA e orientado por THAIZA TEIXEIRA XAVIER NOBRE e orientado por THAIZA TEIXEIRA XAVIER NOBRE

O envelhecimento populacional é uma realidade que vem se intensificando nas últimas décadas em todo o mundo. Porém, a longevidade é acompanhada por modificações importantes que em geral impactam na qualidade de vida e saúde de idosos, dentre os quais destaca-se a dor como um dos sintomas mais comumente identificados. Assim, objetivou-se no presente estudo avaliar a dor e seu impacto na qualidade de vida de pessoas idosas. Trata-se de uma pesquisa descritiva, com abordagem quantitativa, realizado com idosos cadastrados na Estratégia de Saúde da Família (ESF), em município da região Nordeste do Brasil. Para mensurar a qualidade de vida utilizou-se o instrumento World Health Organization Quality of Life Old (WHOQOL-OLD). Participaram do estudo 196 idosos, com idades entre 60 a 85 anos, dos quais 68,8% eram do sexo feminino. Dos idosos que referiram dor (73,5%), 51,5%, afirmaram que o tempo de dor era maior que um ano. A qualidade de vida em todos os parâmetros obteve escores entre inferiores a 3,9 (regular), exceto no funcionamento sensório que a pontuação foi inferior a 2,9 (necessita melhorar). Ao comparar os escores dos domínios do WHOQOL-OLD e a presença ou não de dor, verificou-se significância estatística no domínio funcionamento do sensório (p-valor=0,027). Frente aos achados, concluiu-se que a dor teve impacto negativo na qualidade de vida dos idosos pesquisados, justificando a implementação de medidas não farmacológicas para o alívio e controle da dor crônica, visando minimizar os efeitos adversos dos medicamentos de uso contínuo e promover a melhoria da qualidade de vida.

Veja o artigo completo: PDF