Resumo Trabalho

UTILIZAÇÃO DA ESCALA DE BRADEN PARA ANÁLISE DOS RISCOS DE LESÕES POR PRESSÃO EM IDOSOS

BELARMINO SANTOS DE SOUSA JÚNIOR, FERNANDO HIAGO DA SILVA DUARTE, SONIA MARIA DA SILVA, CECÍLIA NOGUEIRA VALENÇA e orientado por ANA ELZA OLIVEIRA DE MENDONÇA e orientado por ANA ELZA OLIVEIRA DE MENDONÇA

Introdução: o avanço tecnológico e científico vem possibilitando o aperfeiçoamento dos serviços e cuidados de saúde, no entanto, o surgimento de Lesões por Pressão (LP), em pacientes hospitalizados permanece elevado, principalmente em idosos que necessitam de cuidados intensivos. Objetivos: analisar os riscos no desenvolvimento de LP em pacientes idosos, admitidos em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI), utilizando a Escala de Braden (EB). Metodologia: trata-se de um estudo descritivo, com abordagem quantitativa. A amostra foi constituída de 20 pacientes, selecionados intencionalmente, com base nos seguintes critérios inclusão: ter idade > 65 anos de idade, permanecer internado na UTI por, no mínimo, 72 horas e não apresentar lesão por pressão no momento de admissão na UTI. Os critérios de exclusão foram: ser transferido para outra unidade hospitalar; obter alta da UTI e paciente evoluir a óbito. Para a coleta de dados utilizou-se de um instrumento estruturado e a análise dos prontuários, após aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa e assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE). Resultados: ao aplicar a Escala de Braden (EB) nos pacientes do estudo durante o exame físico, verificou-se que 90% dos pacientes apresentaram-se completamente limitado em relação à percepção sensorial; 85% encontravam-se ocasionalmente úmidos; 95% restritos ao leito; 90% possuía nutrição inadequada; 85% possuem problema em relação à fricção e cisalhamento; e com relação ao escore total 95% apresentaram risco muito elevado para desenvolver LP que posteriormente desenvolveram tais lesões. Conclusão: a EB é de fácil aplicação na prática clínica do enfermeiro e mostrou-se útil na avaliação de predição do risco de LP no grupo estudado.

Veja o artigo completo: PDF