Resumo Trabalho

NÍVEL DE DEPENDÊNCIA À NICOTINA ENTRE IDOSOS

MATEUS RAPOSO DOS SANTOS, LUANA SILVA BARBOSA, MATHEUS VINICIUS NASCIMENTO CABRAL, BRUNA MOURA RIBEIRO NUNES e orientado por CLÉSIA OLIVEIRA PACHÚ e orientado por CLÉSIA OLIVEIRA PACHÚ

O tabagismo é a principal causa evitável de doenças, invalidez e mortes prematuras. Com relação à população idosa, este vício provoca aumento significativo na incidência de desenvolvimento de doenças tabaco relacionadas, além do envelhecimento precoce. A cessação do fumo na terceira idade traz importantes benefícios ao fumante, como possível redução de surgimento de doenças e aumento da expectativa de vida. Com base nos benefícios que a cessação do tabagismo proporciona ao indivíduo idoso e a susceptibilidade desta faixa etária ao desenvolvimento de doenças, o presente estudo avaliou o nível de dependência à nicotina entre idosos participantes do programa multidisciplinar de combate ao tabagismo em ação no hospital universitário Alcides Carneiro (HUAC) em Campina Grande, Paraíba. Os níveis foram medidos através do teste de Fagerström, aplicado durante a entrevista da equipe de farmácia, no período de setembro de 2015 a novembro de 2016. Ao todo, foram entrevistados 164 tabagistas, dos quais 19,51% tinham idade igual ou superior a 60 anos, destes 59,37% e 40,62% eram do sexo feminino e masculino, respectivamente. Os resultados trazidos por este estudo demonstra que apesar da terceira idade ter maior dificuldade em interromper o tabagismo, devido ao tempo maior de uso do cigarro, apresenta em sua maioria níveis de dependência à nicotina predominantemente baixos 43,75%, seguido por nível médio 21,87% e elevado 18,75%. O teste de Fagerström apresenta-se como um grande aliado no tratamento de tabagistas, dando direcionamento para um cuidado mais humanizado e centrado no indivíduo, e a partir dos resultados obtidos, somado a força de vontade dos participantes em conjunto com a ajuda da equipe multidisciplinar de saúde, podem conseguir o objetivo do tratamento, a cessação tabágica.

Veja o artigo completo: PDF