Resumo Trabalho

CONTRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL PARA REDUÇÃO DO TEMPO DE PERMANÊNCIA HOSPITALAR DE PACIENTES IDOSOS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO: RELATO DE EXPERIÊNCIA

MAYANA CRISTINA AMARAL FREIRE SOUZA, MARIA IRACEMA DA SILVA NETA

O número de idosos vem crescendo nos últimos anos. No Brasil, a proporção de pessoas com 60 anos ou mais aumentou de 6,7% em 1990 para 8,1% em 2000; e as projeções do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística sugerem que essa população chegue a 64 milhões de pessoas em 2050, o que corresponderia a 24,6% do total de habitantes. Com o objetivo de diminuir a superlotação hospitalar, o tempo médio de permanência e consequentemente organizar o fluxo hospitalar, reduzir custos, e ampliar o acesso de pacientes em situação de urgência, diminuir o tempo de internamento de idosos, a gestão de leitos e a divisão de cuidados hospitalar usou como estratégias a implantação da ferramenta Kanban, e a visita multiprofissional por setor. Neste contexto e considerando que Portaria n.º 1101/GM Em 12 de junho de 2002, são utilizados os parâmetros para cálculo da taxa de tempo da média de permanência hospitalar (TMP), contendo diferentes prazos, inclusive a média de permanência para pessoas com acima de 60 anos. Trata-se de um relato de experiência, os dados foram obtidos a partir da vivência presenciada, e através do Aplicativo de Gestão de Hospitais Universitários (AGHU) disponibilizados pela equipe de gestão de leitos. Foi realizado no Hospital Universitário-UNIVASF, tendo como amostra a unidade de Clínica Médica, no período de outubro de 2016 a junho de 2017. Foi criada uma visita técnica multiprofissional, leito a leito uma vez por semana, as quintas-feiras, aos pacientes definidos pela gestão de leitos como pacientes críticos (vermelhos), através do método Kanban, visando a redução do tempo de permanência e giro no leito, e melhoria da qualidade da assistência. Após as passagens multiprofissionais, foi observado um declínio significativo do número de pacientes classificados como vermelhos. Além da maior resolubilidade quanto aos processos psicossociais pendentes. Observou-se um menor tempo de permanência no leito, bem como, menor tempo de espera por outros doentes. Diversas situações que mantinham o paciente preso ao leito eram de cunho social, entre elas, pacientes que não tinham condições financeiras para comprar antibióticos, que necessitavam ter cuidados domiciliares, como aspiração traqueal e curativos, mas que o município de origem não dispunha de aparato para receber o paciente de volta. Devido ao perfil de assistência do referido hospital, observa-se que as passagens multiprofissionais beneficiam os idosos que permanecem um menor tempo em internamento hospitalar, evitando assim maior número de idosos expostos ao risco de infecção hospitalar, lesões causadas devido ao internamento, bem como quadro de confusão mental causada pela internação. Essa experiência tem provado que pequenas mudanças na postura de profissionais, podem trazer grandes ganhos, não apenas para os pacientes, mas para o serviço. Paralelo a essa rotina foi implantado momentos de rodas de conversa com a equipe, sobre o método Kanban, gestão de leitos, e redução do tempo de permanência para os idosos.

Veja o artigo completo: PDF