Resumo Trabalho

DEPRESSÃO EM IDOSOS VIVENDO HIV/AIDS

BRENDA FEITOSA LOPES RODRIGUES, INGRID BERGMAM DO NASCIMENTO SILVA, MILENNA AZEVEDO MINHAQUI FERREIRA, RÔSEANE FERREIRA DA SILVA e orientado por ANNA CLÁUDIA FREIRE DE ARAÚJO PATRÍCIO e orientado por ANNA CLÁUDIA FREIRE DE ARAÚJO PATRÍCIO

Dentre os transtornos psiquiátricos mais comumente observados em idosos HIV positivos, a depressão é o mais prevalente. Objetivou-se analisar a depressão em idosos vivendo com HIV/aids. Estudo quantitativo realizado com dez idosos diagnosticados com HIV/aids em um Hospital de Referência para Doenças Infectocontagiosas no município de João Pessoa/PB, Brasil. Como critérios de inclusão considerou-se pessoas com idade igual ou superior a 60 anos, com capacidade cognitiva preservada, diagnosticado com HIV/aids. Foram excluídos aqueles que não possuíam diagnóstico de HIV, não desejavam participar da pesquisa, com dificuldade de falar. A coleta de dados foi realizada no mês de outubro do ano 2017 utilizando a Escala de Depressão da HAM-D com 24 itens. Esta pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa conforme CAAE 71135917.3.0000.5176. Observou-se que 60%(6) dos idosos entrevistados não apresentaram depressão, 10%(1) encontrava-se levemente deprimido, 30%(3) dos idosos moderadamente deprimidos e a amostra para idosos gravemente deprimidos foi nula. Salientando que indivíduos deprimidos possuem um alto índice de prejuízo na adesão pelo tratamento, torna-se fundamental detectar precocecmente sinais sugestivos de depressão com o intuito de melhorar a qualidade de vida e reduzir os impactos negativos do diagnóstico ao HIV/aids.

Veja o artigo completo: PDF