Resumo Trabalho

MEMÓRIAS DE SOLIDÃO: IDENTIDADES, POTÊNCIAS E POESIA NA INTERAÇÃO COM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS

MIKAEL LIMA BRASIL, FRANCISCO JAIME RODRIGUES DE LIMA FILHO, RAYANE SUELLEN PEREIRA DE ALBUQUERQUE SANTOS, RAFAELLA MIRANDA MACHADO e orientado por ROSSANA DE ARAÚJO BARBOZA e orientado por ROSSANA DE ARAÚJO BARBOZA

O envelhecimento da população é tratado como um fenômeno ligado à transição demográfica, sendo importante salientar que o processo de envelhecimento ocorre em ritmo intenso com aumento proporcional de idosos claramente contrabalançado pela diminuição de crianças e adolescentes. Verificam-se que, associados às características naturais do envelhecimento humano, há fatores que influenciam de maneira significativa nas relações entre idosos e sociedade, considerando-se pertinente um processo relacionado ao envelhecimento: a institucionalização de idosos em Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPI) e a necessidade das universidades as encararem como espaços para a produção de cuidado. Nessa perspectiva, objetivou-se refletir a construção das identidades do envelhecer a partir da interação com idosos institucionalizados. Foi desenvolvido um Relato de experiência viabilizado por visitas periódicas, através da extensão universitária vinculada ao Programa Institucional de Apoio à Terceira Idade (PIATI) da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), em uma ILPI do município de Lagoa Seca-PB. Para a construção dos resultados dessas vivências, a poesia foi utilizada como estratégia para trazer leveza à escrita. Dessa forma, salienta-se que esta experiência trouxe o desenvolvimento de uma dinâmica dialógica pertinente para a necessidade de enxergar ILPI como locais para o desenvolvimento de atividades de extensão universitária, assim como forma de (re)significar as vivências das pessoas que estão em institucionalização e de qualificar as práticas profissionais, considerando os princípios de equidade, universalidade e integralidade, visualizando nos idosos institucionalizados as suas potencialidades para encarar o processo de maneira menos solitária.

Veja o artigo completo: PDF