Resumo Trabalho

TRANSPOSIÇÃO DAS ÁGUAS DO RIO SÃO FRANCISCO PARA O AÇUDE DE CUREMAS - MÃE D’ÁGUA: UM CASO A ANALISAR?

CLAUD KIRMAYR DA SILVA ROCHA, MARY DELANE GOMES DE SANTANA e orientado por MARY DELANE GOMES DE SANTANA e orientado por MARY DELANE GOMES DE SANTANA

RESUMO A barragem Estevam Marinho conhecida popularmente por açude de Curemas, possui importância significativa para a sobrevivência da população sertaneja por ser responsável pelo abastecimento de mais de 147 munícipios sendo 102 na Paraíba e 45 no Rio Grande do Norte, tendo o abastecimento como prioridade e a agropecuária como principal meio de subsistência da população. O trabalho tem como objetivo analisar a viabilidade da transposição das águas do Rio São Francisco para a barragem do complexo Curemas – Mãedágua que é responsável pela liberação e manutenção das águas para o rio Piancó- piranhas-açu. O volume de águas da barragem alcançou índice jamais visto desde a sua construção, nesses últimos 6 anos. Frente a essa situação, a população das cidades que são abastecidas por essa barragem tem sofrido serias consequências sociais e econômicas com o racionamento da agua devido à redução do volume cubico de água liberado para as cidades e o campo. O sério colapso em 2016, fez com que o rio precisasse ser mantido pela barragem de Mãedágua. A água é um bem comum não apenas como pertencimento de um Estado ou região, por isso é preciso um estudo dos recursos hídricos da região e da possiblidade da sustentabilidade deles, mesmo em períodos de seca. Assim sendo, corrobora-se com a solução proposta e já utilizada para outras regiões da Paraíba que é a transposição das águas do Rio São Francisco, que garantiria a distribuição de água e, por conseguinte a continuidade das atividades desenvolvidas na agricultura e a estabilidade da economia local, mesmo nos períodos de seca ou de chuvas intermitentes que assolam a região.

Veja o artigo completo: PDF