Resumo Trabalho

USO DA MORINGA OLEIFERA COMO COAGULANTE ALTERNATIVO PARA TRATAMENTO QUÍMICO DE ÁGUA: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

RAFAELLA DE MOURA MEDEIROS, MARCOS HENRIQUE GOMES RIBEIRO e orientado por ELIZABETH AMARAL PASTICH GONÇALVES e orientado por ELIZABETH AMARAL PASTICH GONÇALVES

Os baixos índices de precipitação e a irregularidade do seu regime na região Nordeste, notadamente no semiárido brasileiro, aliados ao contexto hidro geológico, contribuem para os reduzidos valores de disponibilidade hídrica. Diante de tal situação têm-se buscado alternativas sustentáveis de baixo custo que auxiliem a parcela da população do semiárido, que vive em áreas de elevado risco hídrico, a acumular água de forma sanitariamente segura, para seus diversos usos, com parâmetros mínimos de potabilidade. Esta pesquisa tem como objetivo o levantamento de dados comprobatórios da eficácia do uso da Moringa oleífera para tratamento de água para consumo doméstico, sendo uma alternativa viável para aplicação na região semiárida. Para a construção do presente trabalho foi realizada pesquisa bibliográfica, pelo método da revisão integrativa, sumarizando as pesquisas concluídas e obtendo conclusões a partir do tema de interesse. O método de coagulação-floculação é utilizado para a remoção de substâncias orgânicas e inorgânicas presentes na água, como óleos, gorduras, metais e matéria orgânica em suspensão. É um método amplamente utilizado para o tratamento de águas para abastecimento e tem como principal agente coagulante o sulfato de alumínio e/ou sais de ferro. Apesar dos benéficos do uso do sulfato de alumínio como agente coagulante, a exposição humana ao alumínio residual usado no tratamento de água tem sido associada com o desenvolvimento de lesões cerebrais e outras enfermidades (Elunalai et al., 2015). O uso do extrato de Moringa oleífera como coagulante natural para tratamento de água se mostra eficiente na redução de turbidez e agentes patogênicos como coliformes fecais e ovos de helminto presentes em águas de irrigação, abastecimento e residuárias submetidas ao tratamento. A substituição do sulfato de alumínio pelo uso de sementes de Moringa no processo de tratamento de água, tende a evitar os impactos negativos causados na saúde do ser humano provocados pelo uso do insumo químico, além de representar maior facilidade de obtenção e menor custo o que corrobora para seu uso popular.

Veja o artigo completo: PDF