Resumo Trabalho

ANÁLISE DA APLICABILIDADE DE TELHADO VERDE NO SEMIÁRIDO PERNAMBUCANO COMO REGULADOR TÉRMICO DE AMBIENTES

MARCOS HENRIQUE GOMES RIBEIRO e orientado por ELIZABETH AMARAL PASTICH GONÇALVES e orientado por ELIZABETH AMARAL PASTICH GONÇALVES

A população semiárida brasileira corresponde a aproximadamente 11% da população do país, sendo que quase metade deste quantitativo reside em áreas rurais e subsistem sob grande vulnerabilidade social e econômica. Segundo estudos da Embrapa Semiárido (CPATSA/Embrapa), 60 dias após o encerramento do período das chuvas, 550 mil dos 2,6 milhões de estabelecimentos rurais da região passam a viver sem qualquer tipo de água para o consumo humano ou animal, nos seus próprios agro ecossistemas familiares. Se considerarmos um período de 120 dias após o término das chuvas, podemos projetar que mais de 1 milhão de estabelecimentos fiquem sem qualquer fonte de água no período de seca. Além da escassez hídrica, a população destas localidades ainda têm que conviver com insolação média de 2800 h/ano, e umidade relativa do ar média em torno de 50%. As temperaturas muito elevadas, em torno de 26ºC, com pequena variação interanual, que inspira uma situação de maior cuidado referente ao calor. Esta pesquisa tem por objetivo o levantamento de dados comprobatórios que justifiquem a aplicabilidade do uso de telhados verdes no semiárido e o desenvolvimento de políticas públicas de incentivo de uso. Dessa forma, o uso dos telhados verdes na região semiárida se justifica ao ponto que os mesmos constituem um elemento capaz de promover conforto térmico além de diminuição de escoamento superficial e da possibilidade de captação de águas pluviais para reuso doméstico por parte da população que enfrenta longos períodos de escassez sendo, assim, técnica viável para investimento por parte de políticas públicas.

Veja o artigo completo: PDF