Resumo Trabalho

ROTEIRIZAÇÃO DOS CORREDORES HÍDRICOS DA OPERAÇÃO PIPA NO MUNICÍPIO DE PICUÍ – PB

THIAGO DA SILVA FARIAS, JOAO FILADELFO DE CARVALHO NETO e orientado por PEDRO COSTA GUEDES VIANNA e orientado por PEDRO COSTA GUEDES VIANNA

As regiões secas possuem, em seus elementos constituintes de sua paisagem, particularidades que resultam na condição de escassez hídrica características do seu ambiente natural. Esses fatores estão diretamente relacionados aos aspectos físicos, naturais e climáticos. No Brasil a região mais seca e destacadamente conhecida é o semiárido brasileiro, que abrange oito estados da região nordeste e um do sudeste. Ao longo da história inúmeras políticas de caráter hídrico foram criadas com o objetivo de solucionar o quadro de escassez, dentre elas destacam a política de açudagem e as tecnologias sociais hídricas (TSH’s), em especial as cisternas de placa, que propiciaram significativos avanços, principalmente na estocagem, abastecimento e democratização da água na região. Porém, em anos de estiagem prolongada, onde as cisternas e as reservas hídricas não são suficientes para atender a população, faz-se necessário a adoção de medidas mitigadoras, dentre elas destaca-se a Operação Pipa, foco deste estudo, do Exército Brasileiro. A Operação Pipa consiste em uma política pública emergencial que tem como finalidade a distribuição de água potável aos municípios em situação de emergência hídrica. A metodologia empregada utilizou as informações secundárias, oriundas do Comando Militar do Nordeste (CMNE), referentes aos pontos de captação e atendimento da Operação no município de Picuí, no período de maio de 2016. Por meio destas foi possível identificar e mapear, através das imagens de satélite gratuitas do Google Earth, acessíveis pela ferramenta Openlayers do QGIS, as rotas utilizadas pela Operação. Por meio do programa QGIS 2.18 Las Palmas, foram criados os mapas temáticos referentes a área e ao objeto de estudo deste trabalho. A Operação possuía na época, um ponto de captação e 203 pontos de atendimentos, que possibilitaram a roteirização do manancial até o município, como também a identificação e espacialização de 149 rodovias rurais, responsáveis por possibilitar o atendimento as comunidades rurais dispersas ao longo do município.

Veja o artigo completo: PDF