Resumo Trabalho

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DAS CISTERNAS NO SÍTIO QUEIMADA DA EMA – ZONA RURAL DE CAMPINA GRANDE-PB

ELANIA DANIELE SILVA ARAUJO e orientado por JANAÍNA BARBOSA DA SILVA e orientado por JANAÍNA BARBOSA DA SILVA

O semiárido brasileiro, tem por característica clima quente e seco, com temperaturas médias elevadas, alto índice de evapotranspiração potencial média, baixo índice de umidade e irregularidade do regime de precipitação ao longo do ano. Onde a escassez hídrica, explicada a partir de fatores naturais, dificulta a infiltração da água oriunda da chuva. O déficit hídrico da Região faz com que haja a necessidade por parte da população de adaptação a essa situação, quanto a gestão pública, cabe medidas para promover a convivência com a seca, entre essas a construção de cisternas, com o intuito de captar água da chuva, todavia quando chegado o período de estiagem prolongada o abastecimento das cisternas é feito através de carros-pipa. É necessário, além de armazenar e adaptar-se as condições de escassez, atentar para a qualidade dessa água para o consumo da população, visto que, a disponibilidade de água de qualidade é uma condição indispensável para a própria vida e acima de qualquer outro fator, condiciona a qualidade de vida dos indivíduos. Nessa perspectiva, o presente trabalho, objetivou realizar uma análise microbiológica da água das cisternas na comunidade de Queimada da Ema na zona rural de Campina Grande-PB, para entender a situação de qualidade dessa água quanto a presença ou ausência de coliformes fecais ou totais e as formas de armazenamento que podem incidir na proliferação de outros vetores. Para alcançar os objetivos foi realizado um estudo de campo na área; a coleta e análise microbiológica da água; registros fotográficos e análise dos resultados em microscópio optico. Com a análise dos resultados, foi identificado que 100% das amostras não apresentam coliformes totais. Quanto aos coliformes fecais, foram encontrados em apenas 15% das amostras. A presença dos coliformes, foi identificada em cisternas particulares, abastecidas pela prefeitura ou por armazenamento de água da chuva, a água das cisternas abastecidas pelo exército estava ausente de coliformes fecais e totais. As análises microbiológicas efetuadas nas amostras revelaram que a água utilizada pelos moradores tanto advindas do abastecimento feito por carros-pipa geridos pelo exército, quanto da captação de água da chuva, encontra-se própria ao consumo humano. Os números irrisórios de casos de doenças de veiculação hídrica na área, justificam a pouca ou total ausência dos coliformes fecais e totais na água armazenada nas cisternas dos moradores.

Veja o artigo completo: PDF