Resumo Trabalho

CLASSIFICAÇÃO DO ÍNDICE DE ARIDEZ DO CARIRI OCIDENTAL-PB

KAIQUE MUNIZ ALVARES DE LIMA, LAYANE CARMEM ARRUDA DA ROCHA e orientado por MARIA LEIDE SILVA DE ALENCAR e orientado por MARIA LEIDE SILVA DE ALENCAR

O estado da Paraíba possui áreas com nível degradação das terras muito grave, contudo a maioria dos estudiosos concordam que a desertificação é resultante das variações climáticas e atividades humanas, destaca Silva (2012). O índice de aridez (IA) é bastante utilizado nos estudos para a determinação de áreas secas e principalmente nos estudos do processo de desertificação. Aridez é a característica do clima que relaciona a insuficiência de precipitação adequada para manter uma vegetação. Diante do exposto, a pesquisa tem como objetivo obter uma representação espacial, por meio do uso de geotecnologias, do mapeamento temático dos índices de aridez da microrregião do Cariri Ocidental paraibano. A metodologia utilizada para elaboração desse trabalho partiu de uma avaliação integrada da relação climatológica com as áreas que compõem o semiárido paraibano, a microrregião do Cariri Ocidental, através da utilização do Software Surfer 11. Para identificar os diferentes níveis de aridez, utilizou-se o método estabelecido por Thornthwaite (1948) e adotado pelas Nações Unidas para a aplicação do Plano de Ação de Combate a Desertificação (PACD).Os mapas finais correspondentes aos IA’s e classes de desertificação foram elaborados com a utilização do Software Surfer 11, utilizando o método de gradeamento Krigagem; e, como recorte utilizou-se um arquivo digitalizado com extensão bln da microrregião, sobre o shape da mesma microrregião da Paraíba, obtido em AESA (2017). Percebeu-se que, em todas as cidades exceto São João do Tigre, no ano de 2012, apresentaram o menor índice de aridez entre os 10 anos estudado, possivelmente, pode está relacionado ao evento La Niña, que ter afetado o período chuvoso da região, consequentemente apresentando melhores IA’s. A cidade de Zabelê apresentou uma menor média de IA (0,31) que inclui essa cidade na classe de semiárida e se grau de risco de desertificação é considerado alto. Já Taperoá apresenta um maior índice (0,57), classificando-a no clima sub-úmido e seco, e seu grau de risco de desertificação é moderado. A classificação de risco à desertificação para a microrregião, levando em consideração a média do índice de aridez, variou entre os graus moderado a alto. No ano de 2009, a maioria das cidades tiveram um aumento significativa no IA em relação a todos os anos estudados. Possivelmente o alto índice pluviométrico, as elevadas temperaturas, a topografia local e as ações antrópicas influenciam diretamente no IA da microrregião.

Veja o artigo completo: PDF