Resumo Trabalho

VARIABILIDADE ESPAÇO TEMPORAL DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA NA BACIA HIDROGRÁFICA DO SUBMÉDIO RIO SÃO FRANCISCO

MADSON TAVARES SILVA, EDIVALDO AFONSO DE OLIVEIRA SERRÃO, MARCOS RENATO BASILIO AMORIM, JEFFERSON SANTOS DE AMORIM e orientado por VICENTE DE PAULO RODRIGUES DA SILVA e orientado por VICENTE DE PAULO RODRIGUES DA SILVA

Nas últimas décadas, o interesse por estudos de impactos ambientais causados pelas atividades humanas tem movido um considerável número de pesquisadores a estudar novas ferramentas, inclusive aquelas que buscam simular as transformações ocorridas através das mudanças no uso da água e do solo, levando em consideração a questão da distribuição espacial dentro da bacia em estudo. O estudo foi desenvolvido na região do Submédio do Vale do rio São Francisco, que abrange áreas dos Estados da Bahia e Pernambuco, estendendo-se da cidade de Remanso até a cidade de Paulo Afonso ambas no Estado da Bahia. A evapotranspiração potencial foi calculada pelo modelo SWAT através do método de Pennman-Monteith. De acordo com a distribuição das classes de uso de solo identificadas na área em estudo (Figura 2), observa-se que a Caatinga Arbórea e Arbustiva (RNGB), Caatinga Sub-arbustiva (RNGE) e Pastagem (PAST) dominam a paisagem ocupando uma área, de 60.385,7; 18.998,5 e 22.737,5 km2, respectivamente, totalizando cerca de 102.121,8 km2, área correspondente a 92,5% da área total da bacia. A evapotranspiração potencial (ETP) é alta na BHSRSF quando comparada as demais regiões do Brasil, que é justificado pelas características do clima semiárido que somada à elevada disponibilidade energética, na forma de radiação solar direta, aumenta a demanda evapotranspirativa da região. A avaliação do desempenho de um método é essencial para saber o quão perto de valores reais serão os resultados alcançados por um determinado método, permitindo sua utilização no fornecimento de dados para a gestão dos recursos hídricos.

Veja o artigo completo: PDF