Resumo Trabalho

MACEIÓ PARAIBANO DO BESSA-AVALIAÇÃO PRELIMINAR DA QUALIDADE DA ÁGUA QUANTO AOS PARÂMETROS FÍSICO-QUÍMICOS

ANE JOSANA DANTAS FERNANDES, EDILMA R. BENTO DANTAS, JAILSON DA SILVA CARDOSO, ALAN FERREIRA DE ARAÚJO e orientado por LIZ JULLY HILUEY CORREIA GALDINO e orientado por LIZ JULLY HILUEY CORREIA GALDINO

O maceió do Bessa é um local bastante frequentado por pescadores e também por turistas, pessoas que estão em contato direto com água, muitas vezes sem saber o risco que aquela água representa para o seu bem-estar, ou se a água está contaminada ou não. Um ambiente poluído não prejudica apenas as pessoas que estão em contato com a água, mas também afeta os animais marinhos que são os que mais sofrem com a irresponsabilidade humana. O Rio Jaguaribe passa por muitos lugares na cidade de João pessoa, e um dos seus trajetos deságua na praia do Bessa. A pesquisa visa contribuir para um diagnóstico mais detalhado da qualidade da água naquela área. As coletas e análises foram realizadas no período de julho de 2015 a agosto de 2016, totalizando 5 coletas. A amostragem foi feita em triplicata autêntica, em três pontos, no rio (amostras BR 1,2,3) no maceió (amostras BM 1,2,3) e no mar (amostras BS 1,2,3). Além das análises bacteriológicas feitas pela SUDEMA, foram feitas análises físico-químicas das amostras coletadas, os parâmetros analisados foram o pH, turbidez, condutividade, oxigênio dissolvido (O.D.), dureza total, dureza de cálcio e magnésio e os nutrientes, nitrito, fosfato e amônia, seguindo Standard Methods of Water and Wastewater. Sugere-se que as amostras coletadas nos pontos do rio e maceió do Bessa apresentem uma maior concentração de poluentes devido apresentarem concentrações mais elevadas dos nutrientes avaliados, dentre os nutrientes, apenas a amônia esteve em desacordo com a Resolução Nº 357/2005. Resultados mostram como variaram os parâmetros em cada ponto de coleta ao longo do período de investigação. A tábua de maré influenciou os parâmetros físico-químicos avaliados no maceió, a concentração do oxigênio dissolvido foi baixa de acordo com a resolução, os parâmetros pH e turbidez estiveram em conformidade com a resolução, sugere-se também que as amostras de água coletadas nos pontos do rio e do maceió apresentem uma carga poluidora maior, se comparadas às amostras do mar, que atenderam à legislação vigente em todos os parâmetros avaliados. No entanto, a água do mar é considerada imprópria para o banho, pelos resultados positivos das análises bacteriológicas realizadas rotineiramente pela SUDEMA.

Veja o artigo completo: PDF