Artigo Anais VII ENALIC

ANAIS de Evento

ISSN: 2526-3234

Visualizações: 42
NARRATIVAS DE UM ESTAGIÁRIO: O ESTÁGIO COMO ESPAÇO DE REFLEXÃO SOBRE A DOCÊNCIA

Resumo

A docência é uma profissão, e como qualquer outra, exige preparo teórico, técnico e principalmente, prático (RODRIGUES, 2012). E é do reconhecimento dessa indissociável relação que surge o Estágio Supervisionado na formação de professores, caracterizado pela articulação existente entre as teorias de conhecimento pedagógico e científico e das práticas em sala de aula (FELÍCIO; OLIVEIRA, 2008). Para entendermos a importância do estágio na formação inicial de professores, destacamos as ideias de Scalabrin e Molinari (2013) que descrevem essa etapa de formação como um momento onde o futuro profissional pode se envolver como construtor de sua práxis, por trazer elementos importantes do cotidiano do professor. A partir das ideias de Lima (2008) entendemos, também, a importância desse espaço de formação na identificação do estagiário com a profissão docente, através do encontro entre duas culturas: universidade e escola, numa aproximação investigativa da realidade. Diante de toda diversidade cultural que existe na escola, é necessário que o estagiário possa compreendê-la como um ambiente social de interação, comunicação, investigação e reflexão sobre as ações educacionais. Para auxiliar na (re)construção das concepções dos futuros professores sobre a docência a partir da experiência do Estágio, as narrativas podem ser utilizadas como momentos para articular as dimensões pessoais e profissionais para a inserção do trabalho reflexivo na formação de professores. Segundo as ideias de Gonçalves et al (2008), essas narrativas podem ser usadas como fonte de informações qualitativas da prática docente norteando investigações na área da formação de professores, bem como a reflexão dos sentidos construídos sobre a docência. As narrativas vêm trazer um novo olhar para o narrador, que deixa de ser apenas um objeto de pesquisa para ser pesquisador em sua própria trajetória de formação. O que caracteriza a natureza formativa das narrativas, por ressignificar as experiências do narrador no momento em que este desenvolve consciência das influências de suas vivências na construção da sua identidade docente (GASTAL; AVANZI, 2015). Neste trabalho, construímos reflexões sobre as narrativas produzidas por um estagiário a partir das suas vivências em uma escola da rede Estadual de Feira de Santana - Bahia, no contexto da disciplina de Estágio Supervisionado em Ensino de Química I, na Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), com o objetivo de compreender o estágio supervisionado como espaço de formação reflexão sobre à docência. As narrativas vêm sendo trabalhadas ao longo das disciplinas de Estágio Supervisionado no Curso de Licenciatura em Química (CLQ) como também no grupo de estudo sobre Pesquisa Narrativa na Formação de Professores de Química na UEFS. As etapas de construção das narrativas foram orientadas pelas ideias de Josso (2010) que segundo a autora a Biografia Educativa se constrói em três etapas reflexivas, cuja primeira é centrada na elaboração de uma narrativa oral e depois escrita e a segunda e terceira etapas giram em torno do processo de partilha, reflexão e formação. Os estagiários foram construindo narrativas orientadas a partir de temáticas como "escolha pelo curso", "ser professor/a" e "relação com a escola", além das narrativas geradas da fase de observação na escola. Nesse esteio, trazemos as reflexões de um estagiário a partir da sua fase de observação e suas reflexões sobre a escola, o ser professor e o papel do estágio para a formação inicial. Após a escrita individual e partir das narrativas foi realizado momentos de questionamento e reflexão sobre as experiências apresentadas nas narrativas. Nessa fase, começamos a desenvolver a análise das narrativas identificando os "momentos charneiras" (JOSSO, 2010), momentos que buscamos compreender a articulação do estagiário com seu processo de observação na escola. Os momentos identificados foram: "entendendo o meu papel como estagiário na escola", "percebendo a subjetividade da minha observação", "reconhecendo minhas concepções de docência" e "repensando minha escolha pela licenciatura". Esses eixos nortearam as conversas e reflexões em relação a vivência ao longo do curso. Assim, compartilhamos a análise dos sentidos construídos ao longo do trabalho com as narrativas na perspectiva de ajudar outros estudantes refletirem sobre esse momento do estágio supervisionado e, também, incentivar outros cursos a inserirem essa prática na formação de professores. Buscamos reivindicar o estágio como espaço ímpar de formação a partir da atribuição de sentidos às vivencias do estagiário. Ao mesmo tempo, em vivências particulares, as atividades de estágio puderam ser problematizadas no sentido de buscar caminhos que favoreçam a formação de professores reflexivos. Palavras-chave: estágio supervisionado, formação de professores, pesquisa narrativa, licenciatura em química Referências FELÍCIO, H. M., OLIVEIRA, R. A. A formação prática de professores no estágio curricular. Educar, Editora UFPR: Curitiba. nº. 32, 2008, p. 215-232. GASTAL, Maria Luiza de Araújo, AVANZI, Maria Rita. Saber da experiência e narrativas autobiográficas na formação inicial de professores de biologia. Ciênc. Educ., Bauru, v. 21, nº. 1, p. 149-158, 2015. GONÇALVES, F. P., FERNANDES, C. S., LINDERMANN, R. H., GALIAZZI, M. C. O Diário de Aula Coletivo no Estágio da Licenciatura em Química. Química Nova Na Escola. N° 30, Novembro de 2008 JOSSO, M. C. A experiência de vida e formação. 2 ed. Ver. Ampl. Natal, RN: EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2010, 341p. LIMA, M. S. L. Reflexões Sobre O Estágio/Prática De Ensino Na Formação De Professores. Rev. Diálogo Educ., Curitiba, v. 8, n. 23, p. 195-205, jan./abr. 2008 RODRIGUES, Moara Barboza; Aprendendo A Ser Professor: do discurso à prática. Revista Pandora Brasil, nº 49, dezembro de 2012. SCALABRIN, Izabel Cristina; MOLINARI Adriana Maria Corder. A importância da prática do estágio supervisionado nas licenciaturas. Revista Unar, Vol 7, nº 1, 2013.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.