Artigo Anais IV CEDUCE

ANAIS de Evento

ISSN: 2447-035X

Visualizações: 77
ENTRE O QUILOMBO, O RIO E A CIDADE: PESQUISAS COM CRIANÇAS NA AMAZÔNIA PARAENSE.

Palavra-chaves: METODOLOGIAS, CRIANÇA, RIBEIRINHO, QUILOMBOLA, QUILOMBOLA Comunicação Oral (CO) / Oral Papers Submission Educação e Infância

Resumo

Resumo: Quando se trata de pesquisa com crianças o pesquisador deve assumir uma postura ética, pois a criança é um ser social, que precisa ser respeitado. É fundamental para construção e reflexão desse estudo entender as singularidades desses sujeitos em desenvolvimento em cada realidade aqui apresentada. Neste sentido o presente artigo, apresenta as experiências metodológicas de três dissertações de mestrado em andamento, ambas tem como sujeitos, a criança, em três lócus distintos – quilombo, rio e cidade-. Esses contextos representam a diversidade sociocultural da educação amazônica e enfatiza os saberes desta região tão pouco explorada pelos pesquisadores de forma geral. O objetivo é trazer para o dialogo os caminhos metodológicos em construção dos três contextos da Amazônia paraense. E desta forma contribuir com o processo metodológico e partilhar as experiências de pesquisas com crianças. Para tanto, utilizamos: Marcondes; Teixeira; Oliveira (2010), Sarmento (2004), Todorov (2006), Corsaro (2011), Severino (2007), Kramer; Santos (2011). Para a construção deste artigo utilizamos a pesquisa bibliográfica, e as primeiras experiências de campo das pesquisadoras, ressaltando os devidos cuidados éticos. Como considerações, podemos destacar que fazer pesquisa com crianças é antes de tudo um desafio, independente do contexto da pesquisa. Nesse sentido, dividimos o texto em três partes principais, para melhor facilitar o debate a cerca da temática em questão, sendo elas: 1)Pesquisas com Crianças: relações teóricas iniciais de investigação, 2) Recomendações éticas de pesquisas com Crianças.3)Debates e Contextos Amazônicos: a vez das crianças do Estado do Pará. Este item apresenta os relatos de Pesquisas com Crianças Quilombolas, ribeirinhas e as do espaço urbano do Estado do Pará e por fim as considerações do grupo.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.